O que diz o CFO sobre o Prontuário Eletrônico ou em Papel ?

O Conselho Federal de Odontologia (CFO), através da Resolução CFO-91/2009, aprovou o uso do Manual de Certificação Para Sistemas de Registro Eletrônico em Odontologia, elaborado Pela Sociedade Brasileira de Informática na Saúde (SBIS), utilizando-se das mesmas premissas e diretrizes previstas para o Conselho Federal de Medicina (CFM), no que se refere ao prontuário eletrônico do paciente (PEP).

Vale dizer que, de acordo com a normativa do CFO, apenas e tão somente, poderá ser descartado o prontuário em papel, quando o software utilizado para digitalização dos prontuários dos pacientes obedecerem aos requisitos do “Nível de Garantia de Segurança 2-(NGS2).

Importantíssimo dizer que, o NGS2 exige o uso de assinatura digital, mediante a utilização de Certificado Digital padrão ICP-Brasil.

No caso de microfilmagem, os prontuários microfilmados poderão ser eliminados após análise obrigatória da Comissão de Revisão de Prontuários da clínica ou unidade odontológica.

Além disso, vale lembrar que, é estabelecido o prazo mínimo de 10 (dez) anos, a partir do último registro, para a preservação dos prontuários arquivados eletronicamente em meio óptico, Microfilmado ou digitalizado.

Leia mais em: Cartilha sobre Prontuário Eletrônico: Manual de Certificação De Sistemas para Registro Eletrônico em Saúde (S-RES) – Versão 3.3

Portal CFO: Certificado Digital.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 Mayra Motta Advogados Associados